Projetos

+NÓS: Codesign de playgrounds inclusivos, empoderamento e tecnologias digitais

Cidade Amiga da Criança
Passo Fundo - Rio Grande do Sul
FINALISTA
Divulgação

Instituição de Ensino Superior:  IMED - Faculdade Meridional

Participantes

Representante:

Andréa Quadrado Mussi

Professores:

Profa. Thaísa Leal da Silva
Profa. Jessica Portella
Profa. Linessa Busato
Profa. Luísa Nercolino Deon

Alunos:

Ruth Maria Campomanes Yabar
Betina Pazinatto
Priscila Castioni Isele
Daiara Iasmim Rodrigues
Maria Cecília Kopsell De Mello
Maria Eduarda Chiari Nunes

Descrição do Projeto

A iniciativa +NÓS visa o codesign de playgrounds inclusivos e uso de tecnologias digitais no empoderamento de crianças da primeira infância para criação de pocket parks em terrenos baldios no entorno de escolas em comunidades de Passo Fundo – RS. O processo colaborativo conectará crianças, seus pais e professores de escolas públicas e privadas do entorno desses espaços. Destaca-se a fabricação digital e automação como ferramentas de cocriação dos playgrounds inclusivos e dos brinquedos a serem usados pelas crianças nesses espaços. Serão usadas maquetes e plantas táteis como ferramenta de comunicação com crianças com deficiência visual, inclusas no processo. 

Seguem abaixo informações referentes a cada um dos critérios de avaliação. 

 

Critério 1: Capacidade de promover a interdisciplinaridade

São envolvidos os cursos de Arquitetura e Urbanismo, na disseminação da cultura maker como meio para o desenvolvimento da criatividade, inovação, memória visuoespacial, proatividade e cidadania nas crianças; Psicologia, na análise das habilidades comportamentais, avaliação de impacto e do processo de aprendizado, e mediação de conflitos; e Ciência da Computação, na automação dos brinquedos, desenvolvendo o pensamento computacional, a programação e a eletrônica. Quanto às disciplinas e projetos da Faculdade serão abordados: o Codesign (Projetos de Extensão e Pesquisa); a Fabricação Digital para construção dos brinquedos (Disciplina de Desafio de Tecnologias e Inovação), tendo como objeto o pocket park contextualizado numa cidade inclusiva (Disciplinas de Paisagismo; Planejamento Urbano e Regional; Desenho Urbano; e Projeto Inclusivo).

 

Critério 2: Comprometimento com a perenidade da iniciativa 

A iniciativa +NÓS visa ampliar a escalabilidade de ações bottom-up de atividades que já estão sendo feitas com a Associação de Amigos da Praça e de Cegos e com instituições públicas e privadas na implantação do Plano local do bairro 2020-2030, impactando 140 crianças na semana das pessoas com deficiência, etapa 1 do codesign do playground inclusivo local, e fábrica de brinquedos do Natal (https://www.imed.edu.br/Comunicacao/Noticias/fabrica-de-brinquedos-do-papai-noel-estimula-cultura-maker).

Em 2020, aconteceram 3 workshops online síncronos (maker e plano participativo) com 60 pessoas do bairro, 2 disciplinas e 30 alunos organizadores. A proposta vencedora do Desafio  será a continuidade de ações já desenvolvidas no Núcleo de Inovação em Arquitetura e Urbanismo (NITAU) e a ampliação do escopo e faixas etárias de programas como Letramento Digital voltado para o ensino fundamental II e do Projeto Teu Futuro. 

A iniciativa conta com parceiros externos: o Lar de Meninas da Fundação Lucas Araújo (com participação das crianças entre 4 e 6 anos nos workshops); a Escola Estadual Monte Castelo, na participação da direção e das professoras na cocriação do conteúdo dos workshops, na validação do terreno em frente à escola para o pocket park e na participação dos alunos de 6 anos nos workshops; a Escola Notre Dame Menino Jesus, na participação de crianças entre 4 e 6 anos, e financiamento das ações por doação de insumos dos workshops a serem usados no laboratório de fabricação digital; Associação de amigos da praça, na mobilização dos pais e crianças moradoras; Associação de Cegos, na cocriação de brinquedos e playgrounds inclusivos; UNA Construtora, na mobilização da comunidade moradora no apoio às ações, no possível financiamento da ação e na disseminação do método para outros terrenos do bairro e da cidade.

A iniciativa está em andamento na fase de envio de kits físicos para as crianças (parafusos feitos na impressora 3D: criação de brinquedos de papelão) da Escola Monte Castelo e a realização de mais 2 workshops com crianças dessa escola. Dez crianças com deficiência visual estão no projeto de codesign de playground da cidade vizinha. A escalabilidade da metodologia de disseminação da cultura maker, codesign, medição de impacto e a ampliação do público atendido são as metas nos próximos anos.

Critério 3: Potencial de impacto da solução apresentada 

Os beneficiários são crianças entre 4 e 6 anos de três instituições: filantrópica Lar da Menina da Fundação Lucas Araújo (30 meninas em vulnerabilidade social), Escola Estadual Monte Castelo (25 crianças de escola pública), e escola privada Notre Dame Menino Jesus (30 crianças). Participam cinco turmas de alunos dos cursos envolvidos (mais de 150 estudantes), e indiretamente serão beneficiados pelas ações a Associação Passofundense de cegos e dos amigos da praça, moradores do bairro (mais de 6 mil pessoas, segundo o IBGE de 2010), professores e responsáveis pela implantação futura do playground inclusivo do pocket park.

Embasamento teórico: a área de concentração do projeto é em Arquitetura e Urbanismo na linha de pesquisa de tecnologia, projeto e gestão do ambiente construído do Mestrado de Arquitetura e Urbanismo da IMED, associada às áreas de codesign (https://doi.org/10.1590/s1678-86212020000400478); Fab Lab Kids; manipulação geométrica de Friedrich Froebel; playground inclusivo (https://www.imed.edu.br/Comunicacao/Noticias/atividade-de-cocriacao-discute-melhorias-para-o-bairro-rodrigues); inclusão de pessoas com deficiência visual; Fab labs, cultura maker na experiência com professoras da educação infantil (https://www.imed.edu.br/Comunicacao/Noticias/workshops-oferecem-capacitacao-online-sobre-aprendizagem-ativa); ambientes formais, não formais e informais de aprendizado; fabricação digital; e teoria da mudança de Carol Weiss.

Objetivo: a curto prazo espera-se a iniciação das crianças na manipulação das peças fabricadas digitalmente (em impressora 3D e cortadora a laser), no uso de softwares de modelagem 3D próprias (ex.: Makers Empire) para a idade de 4 a 6 anos e na cooperação. Além disso, espera-se estimular a conscientização e empoderamento dessas crianças quanto a poderem construir e/ou criar objetos, fomentando as competências e habilidades pretendidas na proposta e essenciais para a sua inserção no mundo como agentes transformadores das desigualdades sociais.

Indicadores: 1- Participação ativa das crianças nos workshops (indicador: taxa de frequência; taxa de realização e finalização das atividades); 2- Satisfação, empoderamento e engajamento das crianças (indicador: Categorização das falas/conversas, via observação participativa); 3 – Incremento da criatividade (Indicador: percentual de incremento da criatividade via aplicação de formulário no início e final); 4 – Satisfação dos responsáveis (Indicador: taxa de satisfação).

Instrumentos: as atividades envolvem a realização de 3 tipos de workshops e 5 edições: i) Realização workshop (Fábrica de brinquedos I) com crianças de 4 a 6 anos – kit físico- 2 edições; ii) Realização workshop (Espaço do brincar) de caracterização e codesign do espaço para brincar com o brinquedo criado (contexto do pocket park) – 2 edições; iii) Realização de workshop (Fábrica de brinquedos II) com crianças de 6 anos – software makers empire de modelagem 3D – 1 edição.

 

Critério 4: Efeito multiplicador 

O setor de comunicação da IMED auxiliará no registro mensal e constante das atividades realizadas no site da faculdade e nas redes sociais, assim como no site mantido pelo NITAU. Entre os participantes do projeto será utilizado grupo de Whatsapp já constituído, gestão via trello, plano de ensino da disciplina e ambiente virtual de aprendizado para a disseminação das ações junto aos alunos das disciplinas envolvidas. A comunicação para o público-alvo se dará pela interface com a direção e coordenação pedagógica das escolas parceiras mediante avisos direcionados aos pais via WhatsApp, bilhetes físicos e canais oficiais de cada escola, bem como nas redes sociais próprias de cada instituição. 

Com a sistematização e construção da metodologia de Codesign e de disseminação da cultura maker, a replicação ocorrerá pela continuidade do projeto em si, dentro dos projetos de ensino, pesquisa e extensão já em andamento, ampliando a atuação em outros bairros, escolas e terrenos baldios respectivos. A IMED, por meio do InovaEdu, possui convênio com o governo do estado do RS, no projeto de letramento digital voltado para o ensino fundamental II, envolvendo diversas escolas estaduais. Assim, espera-se replicar esse projeto para pelo menos o primeiro ano do ensino fundamental com crianças de 6 anos, sendo uma possibilidade a médio prazo.

 

Critério 5: Inovação 

A iniciativa tem como principais características inovadoras a utilização e disseminação de diversas metodologias: maker, pocket e método codesing para melhoria das competências e habilidades comportamentais e técnicas das crianças.

Contatos:

Andréa Quadrado Mussi: andrea.mussi@imed.edu.br

Outros Projetos

VENCEDOR
Cidade Amiga da Criança
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro
No Brasil há uma enorme desigualdade no acesso à saúde e à educação. Na comunidade da... Leia mais

Remodal