Projetos

Plantando e Colhendo Saúde na Primeira Infância

Parentalidade
Alfenas - Minas Gerais
FINALISTA
Divulgação

Instituição de Ensino Superior:  Universidade José Do Rosário Vellano - Unifenas

Participantes

Representante:

Dra. Alessandra Cristina Pupin Silvério

Professores:

Profa. Dra. Annie Beatriz de Carvalho
Profa. Dra. Ivana Araújo
Profa. Ms. Ciderleia Castro de Lima
Prof. Dr. Marcos Vinícius Reis
Prof. Dr. Sebastião Nilce Souto Filho
Prof. Dr.Yvan fernandes vilas boas
Prof. Ms. Alexandre Ponciano
Dra. Lidiane Paula Ardisson Miranda
Dr. Diogo Gontijo Borges
Danyele Cambraia Franco de Souza
Heloísa de Sousa Gomes Rodrigues

Alunos:

Alice Labecca Sacksida,
Aline Donizeti da Silva,
Aluisio Eustáquio de Freitas Miranda Filho,
Amanda Rocha Sathler Fontoura,
Ana Cristina Silva Paiva,
Andreza Almeida Ferreira de Souza,
Brenda Gersanti Borba,
Estefane Rodrigues,
Gabryela Silveira de Lima Eleutério,
Gianni Tonelli,
Gustavo Oliveira Silva,
Isabela Nicoletti Merotti ,
Isabela Fonseca Codignole,
Isabela Teixeira Gonçalves,
Igor de Oliveira Freire Monteiro,
Joice Cristina Santos do Couto,
Julia Dayrell Beretens,
Júlia Prado Mariano,
Kátia Mara Tavares,
Maria Clara Andrade Costa,
Matheus Santos Viana,
Marcelo Romero Rezende Filho,
Maurício Daniel Santos,
Milena Nasser Dias,
Patrícia Aparecida Coelho,
Pedro Augusto Araújo Silva,
Pietro Fernandes Mattinati Pagliuso,
Rafaela Gontijo,
Samantha Aparecida Silva Gonçalves,
Shoraia Rodrigues,
Simone da Silv,
Suelen de Lima Avelino, Medicina;
Tiffani Marioto Castro,
Vanessa Caroline Cardoso Silva,
Victória Caixeta Santos e Oliveira,
Yulli Aguiar Pereira,
Larissa Arantes Soares

 

 

Descrição do Projeto

Na região sul de Minas Gerais, famílias rurais foram diagnosticadas com intoxicações agudas e crônicas por conta do uso de agrotóxicos. Para mitigar este problema, desde 2012, o projeto da UNIFENAS com outros parceiros envolvidos atenderam mais de 3.500 pessoas. O objetivo ao entrar no Desafio é ampliar o acompanhamento do desenvolvimento de gestantes e crianças na Primeira Infância, a fim de verificar e manejar impactos dos agrotóxicos, bem como atuar na prevenção de intoxicações, fazendo o treinamento das equipes (APS/PSF rurais) e incentivo dos cuidados com saneamento básico. 

Seguem abaixo informações referentes a cada um dos critérios de avaliação. 

 

Critério 1: Capacidade de promover a interdisciplinaridade

A iniciativa envolve docentes e discentes de 10 cursos e várias disciplinas integrativas visando atenção global de criança e gestante em diferentes aspectos do desenvolvimento e riscos inerentes a esse público. Isso é importante pois diante dos problemas detectados pelo impacto de agrotóxicos (como autismo, neoplasias etc), somente ações multiprofissionais podem diagnosticar e intervir para melhorar as condições de vida dessas pessoas:

  1. Medicina: avaliação clínica e neurológica, acompanhamento de doenças e desenvolvimento neuropsicomotor, crescimento e encaminhamento de casos com alterações. 2. Farmácia; e 3. Biomedicina: avaliar e acompanhar a exposição aos praguicidas por meio da determinação das colinesterases e avaliação bioquímica. 4. Enfermagem: realizar as triagens de saúde, antropométricas e orientação à equipe de saúde dos ESFs rurais. 5. Nutrição: realizar o diagnóstico nutricional das crianças e gestantes. Introduzir dietas com todos os nutrientes necessários para cada faixa etária das crianças e período da gestação com suplementação. 6. Psicologia, e 7. Pedagogia: acompanhar o desenvolvimento psicológico e introduzir práticas pedagógicas às crianças. 8. Educação Física: exercícios físicos e ajuda no desenvolvimento neuropsicomotor. 9. Engenharia Civil: criação de purificadores de água. 10. Computação: criação de redes de informações com inteligência artificial para detecção de problemas e informação na APS. 11. Odontologia: saúde bucal. 

Os alunos participarão em todas as etapas de forma ativa após instruídos por seus orientadores e terão sempre um professor orientador junto a eles. 

 

Critério 2: Comprometimento com a perenidade da iniciativa 

A Universidade tem programas voltados para a infância, como o projeto Centro Pró-Sorriso, onde são atendidas crianças com lábio leporino e fenda palatina; apresenta também residência em pediatria com UTI neonatal e pediátrica e médico pediatra 24 horas atendendo no hospital escola, entre outros. 

Como o projeto Plantando e Colhendo Saúde já existe, a continuidade do projeto na atenção às gestantes e na Primeira Infância está garantida. Os núcleos do projeto se encontram em diferentes cidades do sul de Minas Gerais, podendo ser expandida para as 26 cidades da regional de Alfenas-MG.

 

Critério 3: Potencial de impacto da solução apresentada 

O público inicial diz respeito às diversas comunidades rurais das cidades de Alfenas, que apresentam-se com 4.598 moradores da zona rural, e Paraguaçu, com 3.566 habitantes. Dentre esses, os beneficiários do projeto são gestantes, crianças de até 3 anos oriundas de famílias de classe média baixa e profissionais de saúde dos municípios próximos. O cenário das crianças se apresenta com problemas de saúde mais frequente que na população urbana nos itens como atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, escolar e ainda sinais de autismo e outros distúrbios neurológicos. Há também menor oferta de serviços especializados de saúde e também de educação e diagnóstico.

Embasamento teórico: as linhas de pesquisas a serem seguidas são as desenvolvidas pelo projeto Plantando e Colhendo Saúde da Universidade e linhas de Mestrados e Doutorados em Toxicologia desenvolvidos pela Universidade Federal de Alfenas. Contam como principais autores: Alessandra Cristina Pupin Silvério; Isarita Martins Sakakibar e Simone Caetani Machado.

Objetivo: as transformações esperadas é ter uma saúde e desenvolvimento adequados das crianças atendidas. Com as iniciativas espera-se realizar diagnósticos de alterações de saúde e tratamento adequado, além de atendimentos voltados à saúde bucal, nutricional, aspectos pedagógicos e psicológicos, sendo acompanhados de forma integral e com melhoras importantes. Pretende-se também saber o grau de intoxicação e exposição das crianças e gestantes aos agrotóxicos, bem como o impacto causado nessa população.

Indicadores: taxa de intoxicação por agrotóxicos nas crianças e gestantes através da atividade das colinesterases e exames clínicos (cerca de 50 crianças); nível nutricional e desenvolvimento ponderal de cerca de 50 crianças através das medidas antropométricas, Apgar, Curvas de crescimento exigidas no cartão da criança e do feto das gestantes através das medidas antropométricas exigidas no cartão da gestante; alterações motoras na população através do Teste de Triagem de Desenvolvimento de Denver II; alterações neuropsicomotora das crianças através de exames clínicos que constam no Manual do IFF/Fiocruz; exames parasitológicos conhecer os principais parasitas hospedeiros; nível socioeconômico e o saneamento básico através de inspeção domiciliar. 

Instrumentos: realização de 2 oficinas para mostrar os resultados da avaliação realizada pelo projeto e orientação quanto aos maiores riscos encontrados para a população e os profissionais de saúde; avaliação nutricional seriada, aplicação de questionários, exames clínicos, entre outros.

 

Critério 4: Efeito multiplicador 

Os registros de todas as ações e resultados serão realizados pelos membros do projeto Plantando e Colhendo Saúde em sistema de inteligência artificial desenvolvido pelo projeto. Assim, todos os dados estarão à disposição para interpretação e construção do conhecimento e publicações. Para divulgação à comunidade será utilizado o perfil no instragram e outras redes sociais, no site do projeto Plantando e Colhendo Saúde e na página da Unifenas. A COOMAP – Cooperativa Mista Agropecuária de Paraguaçu, parceira do projeto, também tem suas redes sociais e páginas de divulgação voltadas para a comunidade rural, onde são feitas postagens dos resultados dos eventos e pesquisas. A replicação do projeto é totalmente possível e previsível diante dos diversos núcleos do projeto em andamento. A iniciativa conta com diversos profissionais em diferentes cidades e deslocamento da equipe para os atendimentos na zona rural. 

 

Critério 5: Inovação 

Poucos trabalhos científicos são conhecidos e publicados frente à exposição de crianças aos praguicidas, assim esta avaliação completa de saúde passa a ser pioneira, principalmente a nível Brasil. O país é hoje o maior consumidor mundial de praguicidas e de intoxicações agudas e crônicas, sendo o cenário ideal para tal conhecimento. Assim, serão criadas ferramentas para o diagnóstico de praguicidas em crianças e fetos e criação de um aplicativo para diagnóstico das intoxicações através dos dados coletados.

 

Outras informações:

Perfil do projeto no Instagram: https://www.instagram.com/plantandoecolhendosaude/

Contatos:

Contato representante: alessandrapupin72@gmail.com

Outros Projetos

VENCEDOR
Cidade Amiga da Criança
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro
No Brasil há uma enorme desigualdade no acesso à saúde e à educação. Na comunidade da... Leia mais

Remodal